NFS-e Juiz de Fora-MG: Obrigatoriedade de emissão da Nota Fiscal de Serviço Eletrônica

A parceria entre os municípios de Juiz de Fora e Belo Horizonte já rendeu seus frutos com a implantação da Nota Fiscal de Serviço Eletrônica (NFSe).

E claro, o eNotas, solução de emissão e gestão de NFS-e já está preparada para atender os contribuintes obrigados a emitir a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços em Juiz de Fora/MG.  Integre você também seu serviço online à primeira e única solução na nuvem integrada a centenas de prefeituras e que já gerencia centenas de milhares de notas fiscais eletrônicas de serviço todo ano.

Mil e oitocentos estabelecimentos prestadores de serviços de Juiz de Fora têm quinze dias para aderir à nota fiscal de serviços eletrônica (NFS-e), obrigatória a partir de 1º de junho. O documento digital, em fase de implantação espontânea desde dezembro do ano passado, substituirá a nota fiscal em papel. Segundo dados da secretaria municipal da Fazenda (SF), até o momento, 54 mil notas eletrônicas foram emitidas de forma voluntária e 1.700 estabelecimentos, do total de 3.500 existentes na cidade, já trabalham com o novo sistema.

A previsão do chefe do departamento de Receita Mobiliária da SF, Djalma Botelho, é que com a implantação da NFS-e em sua totalidade, o município tenha acréscimo de 20% na arrecadação de Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN). Em 2012, foram recolhidos R$ 51,3 milhões com o tributo. “Este novo modelo de emissão permite o maior controle do fisco”, justifica. Botelho destaca, também, que há vantagens para as empresas que adotarem o novo sistema. “Os empresários terão diminuição de custos. Não vai haver mais o documento em papel, e o programa para emissão é oferecido pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF).”

Para emitir o documento, é necessário acessar o site www.jfissdigital.pjf.mg.gov.br e se cadastrar. O cadastro é obrigatório para empresas e entidades prestadoras de serviços, com exceção daqueles que tenham todas as atividades enquadradas no regime de recolhimento do ISSQN por estimativa. Também estão isentos de emitir a NFS-e profissionais autônomos, instituições financeiras ou equiparadas autorizadas a funcionarem pelo Banco Central do Brasil, concessionários de serviço público de telefonia, energia elétrica, água e esgoto, e transporte coletivo de passageiros. Já os microempreendedores individuais podem optar pela adoção do documento digital. As empresas que não fizerem a migração estarão sujeitas às penalidades por não emissão de documento fiscal.

Vantagens

O presidente do Sindicato do Comércio de Juiz de Fora (Sindicomércio-JF), entidade que representa o setor de serviços, Emerson Beloti, acredita que a inovação irá trazer benefícios. “A nota fiscal eletrônica vem para facilitar a relação entre o contribuinte e o fisco, trazendo mais transparência”, avalia. “A PJF terá maior controle das transações, o consumidor terá mais acesso à informação, e o empresário estará se adaptando a uma modernidade que é necessária. A diminuição do uso do papel também será excelente para o meio ambiente”, completa.

Desde janeiro, o escritório SLM Contabilidade aderiu ao sistema da NFS-e. O contador João Miranda diz que já tem percebido vantagens. “É muito mais prático, facilita os cálculos das tributações e confere agilidade, pois podemos enviar o arquivo pela própria internet para o cliente”, enumera. O supervisor da GPS Construções, Maxwell Pereira, destaca outros aspectos. “Adotamos o sistema em abril e já percebemos resultados. A emissão é mais rápida, houve diminuição dos custos com papel e os arquivos são mais fáceis de armazenar.”

Fonte: http://www.tribunademinas.com.br/economia/1-800-empresas-ainda-n-o-usam-nota-eletronica-1.1279491